Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

O trabalho como custo variável e capital descartável

Um homem ou mulher saiem de manhã para o emprego. Antes, a labuta das tarefas domésticas a deixar cumpridas, o arranjar dos filhos, alguns a deslocação para a escola e a odisseia dos transportes públicos. Mesmo que o sol raie em todo o seu brilho, muitos levam às costas problemas por resolver ou contas para pagar. Um empurrão aqui, um ajeita para ali lá se acomodam nos autocarros. Melhor ou pior dormidos têm que estar a horas nos respectivos postos de trabalho. Este mundo que os envolve não se queda à porta do local de trabalho acompanha-os por largos períodos de tempo e agravam a sua disposição laboral.
E será que o ambiente laboral é um meio de colmatar as preocupações que já têm ou ainda as vai agravar? Muitos têm chefias mal preparadas, trabalhos pouco desafiantes e perspectivas de estagnação longas. Quantos não se sentem descartáveis? Recibo verde e contractos mensais. O fim do mês tão ansiado vem com notas de impostos elevados e os montantes brutos quedam-se magrinhos.
É o tempo…

Contratos sem termo são a nova regra do Lidl Portugal







Uma atitude positiva em matéria de gestão que, certamente trará frutos à empresa de origem alemã Lidl.  em contraste com a política existente em muitas empresas do recibo verde, matéria que ainda não foi abordada pela maioria no poder de uma forma expedita (são flagrantes os prejuízos dos recibos verdes relativamente aos vencimentos sem termo) revela que há gestores com competência na referida cadeia de supermercados. Além de acabar com a instabilidade, motiva e constrói espírito de empresa. Não conhecemos a sua política salarial mas esperemos que siga a mesma linha de consideração pelo trabalho desenvolvido.
Pode ser que o seu exemplo venha a ser uma luz para acabar com os falsos recibos verdes que nalguns casos chegam ao exagero de períodos de tempo semanais. Anote-se ainda que se propõe criar 850 novos postos de trabalho em Portugal.

Comentários

Mensagens populares