Avançar para o conteúdo principal

Apresentados

O trabalho como custo variável e capital descartável

Um homem ou mulher saiem de manhã para o emprego. Antes, a labuta das tarefas domésticas a deixar cumpridas, o arranjar dos filhos, alguns a deslocação para a escola e a odisseia dos transportes públicos. Mesmo que o sol raie em todo o seu brilho, muitos levam às costas problemas por resolver ou contas para pagar. Um empurrão aqui, um ajeita para ali lá se acomodam nos autocarros. Melhor ou pior dormidos têm que estar a horas nos respectivos postos de trabalho. Este mundo que os envolve não se queda à porta do local de trabalho acompanha-os por largos períodos de tempo e agravam a sua disposição laboral.
E será que o ambiente laboral é um meio de colmatar as preocupações que já têm ou ainda as vai agravar? Muitos têm chefias mal preparadas, trabalhos pouco desafiantes e perspectivas de estagnação longas. Quantos não se sentem descartáveis? Recibo verde e contractos mensais. O fim do mês tão ansiado vem com notas de impostos elevados e os montantes brutos quedam-se magrinhos.
É o tempo…

A fábula de Macron versus Marine Le Pen

Como era previsto Macron ganhou a Marine Le Pen. A chamada Direita, chegado o momento oportuno, vestiu-se de Centro. A alegria da derrota da Direita nacionalista foi a vitória da Direita internacionalista e financeira. O sistema combatido e tradicional dos partidos habituais desmoronou-se. No domingo, a chamada Esquerda votou em Macron ou absteve-se.
Na segunda-feira,começam as manifestações de rua contra Macron. A esquerda internacionalista por definição abre o caminho à globalização da qual tanto se queixa. E como é evidente, o neoliberalismo aproveita e segue caminho apostando no hino de Bruxelas e seus tecnocratas. Quem se entalou? Os mesmos de sempre: pensionistas, jovens, desempregados, enfermos, imigrantes, marginalizados e por aí adiante. A disciplina orçamental segue o seu caminho de redenção e o Eurogrupo passa a cantar em francês por causa das borbulhas do Brexit. Cinicamente, os parabéns soam de todo o lado. A História virou script de telenovela e quanto mais prometes mais gosto de ti. Tudo muito virtual e mediático.
Não se sabe nunca o que será o futuro prometido mas as pessoas esquecem o passado e acreditam que será radioso. Quando derem por ela, terão os robots a fazer os seus lugares de trabalho e sem controlo dos mesmos, embarcarão internacionalmente para Marte (esperemos que haja água).

Comentários

Mensagens populares